Carbono

"Um dia igual aos outros", diz o primeiro verso de Carbono, já apontando para uma das nuances do título: os dias iguais, em cópia, em série, papel carbono. A idéia de gás carbônico também comparece, e não só na "paisagem desidratada" do longo poema "Deserto", que se abre, entre sol e poeira, com o poeta escrevendo cartões "ao acaso, a ninguém", e se fecha pelo gesto simbólico do abandono do caderno (mas não da escrita, pois para Tarso interessa, e muito, a representação posterior abandonado o caderno das representações ainda resta a "caderneta das apropriações", título de uma seção do livro)." Carlito Azevedo




R$ 15,00




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Novidades